A Capa


Mãe que matou filho e depois queimou por ser gay, irá a júri popular em Cravinhos

Por Redação em 06/10/2017 às 18h47

Mãe que matou filho e depois queimou por ser gay, irá a júri popular em Cravinhos
A ex-gerente de supermercado Tatiana Ferreira Lozano Pereira, de 32 anos, irá a júri popular, por determinação da Justiça de Cravinhos, no interior de São Paulo, acusada de assassinar o próprio filho, Itaberli Lozano, de 17 anos, por ser gay.

Além dela, Victor Roberto da Silva, de 19, e Miller da Silva Barissa, de 18, também serão julgados. Os três responderão pelo crime de homicídio triplamente qualificado. O motivo do crime foi considerado torpe, perpetrado de forma cruel e sem dar chance de defesa à vítima.

O padrasto da vítima, Alex Canteli Pereira, foi solto por, segundo a justiça, não haver provas suficientes para mantê-lo preso. Canteli já deixou o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Taiuva, onde estava detido, mas responderá por ocultação de cadáver. O Ministério Público informou que irá recorrer da decisão.

O advogado da mãe de Itaberli, Hamilton Paulino Pereira Junior anunciou que entrará com um recurso pedindo a libertação de sua cliente, alegando que as provas contra ela são insuficientes. O advogado dos outros dois acusados, Flávio Tiepolo, fará uso do mesmo argumento.

ASSASSINATO

De acordo com a justiça, Itaberli foi morto em 29 de dezembro de 2016, e seu corpo foi encontrado em um canavial carbonizado no dia 07 de janeiro de 2017.

Segundo informações policiais, a mãe da vítima, com a ajuda de outras duas pessoas, teriam esfaqueado o jovem e, em seguida, com o auxílio do marido, levou-o a um canavial, onde ateou fogo contra o corpo desfalecido do filho, na tentativa de obstruir provas que lhe incriminasse.

Inicialmente, a mãe confessou ter dado uma facada no filho porque ele a atacara, depois mudou sua versão, afirmando que os dois rapazes foram os responsáveis pelo assassinato, e que ela havia pedido apenas que eles dessem "um corretivo" em Itaberli. Os acusados, no entanto, disseram que eles bateram e tentaram enforcar o adolescente e a mulher quem teria desferido as três facadas.

HOMOFOBIA

Antes de morrer, Itaberli havia feito uma publicação em seu perfil no Facebook desabafando sobre o preconceito e ameaças que vinha sofrendo por ser gay: "Que tristeza as famílias sem um pingo de amor, nem a mãe por um filho". "Família em primeiro lugar, é o que há ahahah", escreveu.

Para o Ministério Público, o crime foi motivado por homofobia, uma vez que a mãe não suportava a orientação sexual do filho, que era gay, como a mesma chegou a relatar em depoimento que "não aguentava mais ele".






Você gostaria de conhecer seu próximo namorado?

Se você quer conhecer vários caras bem próximos da sua casa ou do seu trabalho, nós temos uma solução completa e experiência de mais de 14 anos formando casais gays para namoro, casamento e também para uma noite de diversão.

Você só precisa se dedicar um pouquinho fornecendo suas informações com uma boa foto e pronto! Vários caras vão bater na sua porta querendo um pouquinho de você.

Gostou da ideia? É bem fácil, basta clicar aqui nesse link e digitar o seu e-mail para ter tudo isso.



Você quer receber nossas noticias por email?



Link

Comentários








Anterior  Próxima 

Ofertas Atirados

 

 

Cueca Breathable Mesh - Coleção Envy

 

Preço: R$ 149,00
PROMOÇÃO: R$ 112,00

 

 

Cueca com Fechos Magnéticos Break A Way - Coleção Envy

 

Preço: R$ 149,00
PROMOÇÃO: R$ 125,90

 

 

Cueca Maximum Front Enhancement - Coleção Envy

 

Preço: R$ 149,00
PROMOÇÃO: R$ 112,00

 

 

Jockstrap Maximum - Branca - Coleção Envy

 

Preço: R$ 199,00
PROMOÇÃO: R$ 169,90


É expressamente proibido a reprodução parcial ou total de qualquer conteúdo do site A Capa sem prévia autorização por escrito dos responsáveis.
A Capa na iTunes App Store A Capa no Android Market RSS Facebook Twitter SoundCloud
Cadastre-se no informativo