A Capa


Publicitária comove a web com mudança de gênero após os 42: Hoje consigo sorrir

Por Redação em 12/09/2017 às 16h49

Publicitária comove a web com mudança de gênero após os 42: Hoje consigo sorrir

Quatro décadas separam Luís de Flávia Bianco. Luís, um profissional de destaque no mercado portuário, com dois casamentos, uma filha, situação financeira estável, mas infeliz. Flávia, desempregada há dois anos, solteira e vivendo o que considera o melhor momento de sua vida. Flávia foi Luís por 42 anos. Luís é Flávia há apenas um.

As diferenças são gritantes. Luís, durante 42 anos, ostentou uma barba volumosa. Chegou a pesar 160 kg e não suportava se olhar no espelho. Há um ano, após decidir assumir de vez o gênero oposto e tornar-se Flávia, passou a ter traços cada vez mais femininos, perdeu mais de 60 kg e trocou a indiferença pelo espelho por uma paixão indiscutível pelo ato de se admirar.

Uma coisa, porém, não mudou. Apesar da mudança de gênero, a história de Luís é a de Flávia, assim como a de Flávia é a de Luís. Um apelo, feito no início da semana por meio das redes sociais, acabou viralizando e tornou essa questão, quase que filosófica, evidente. Após 25 anos no mercado, ocupando cargos importantes em grandes empresas portuárias, Flávia não consegue recolocação.

“Comecei a trabalhar aos 14 anos. Me formei em Publicidade e, durante 20 anos da minha vida, trabalhei em empresas ligadas ao setor portuário. Há um ano, aos 42, resolvi aceitar a minha condição de transgênero e comecei a tomar hormônios femininos. As coisas ficaram ainda mais difíceis, pois a minha condição causa impactos no mundo corporativo”.

Antes e depois de Flavia Bianco (Foto: Arquivo Pessoal)

Flávia foi vítima da crise. Na última empresa onde trabalhou, ainda como Luís, acabou sendo desligada junto com outros vários colegas por conta da contenção de gastos. Desde então, como Flávia, foram dezenas de currículos enviados, várias entrevistas marcadas e alguns lampejos de esperança, que se converteram em frustração por conta das sucessivas negativas recebidas.

“É difícil distinguir se falta oportunidade pelo fato de ser trans ou pela própria crise. É inegável, porém, que o fato de ser trans é um complicador a mais no processo seletivo das empresas, que ainda estão presas, em sua maioria, ao conceito de ‘boa aparência’. Sou privilegiada pela minha formação, mas o fato de ter me assumido depois dos 40 pesa bastante”, lamenta.

Apesar das dificuldades, ela não se arrepende de ter mudado. Ainda pequena, aos sete anos, colocou o primeiro vestido e se identificou. Foi crescendo, amadurecendo e, sem que os outros soubessem, vivia seu lado feminino apenas na intimidade. Ela, que foi casada com duas mulheres antes de virar trans, garante que essa situação nunca afetou seu desempenho profissional.

“Após o fim do segundo casamento, resolvi começar a me montar em público. A identificação com outras, assim como eu, foi imediata. Percebi que a minha essência era aquela e iniciei o tratamento hormonal em 2016. Muita coisa mudou desde então. Apesar disso, gosto de destacar que sempre fui discreta. Nem as minhas esposas sabiam desse meu gosto. Sempre fui heterossexual”, relata.

Flávia viveu mais de 40 anos como Flávio (Foto: Arquivo Pessoal)

A publicitária reconhece que, no mercado, passou a ser vista de uma forma diferente quando passou a se vestir como mulher. Apesar disso, ela revela que nunca foi alvo de preconceito. Flávia diz que alguns amigos se afastaram, o que já era esperado, mas muitos outros se aproximaram. As grandes dificuldades, de acordo com ela, ocorrem dentro da própria família.

“A relação com a família é diversificada. Vai desde a aceitação integral até a não aceitação, mas o respeito existe. Isso me abala um pouco, mas cada um tem o direito de aceitar ou não. O respeito é que é uma constante necessária. A minha filha, que tem nove anos, descobriu por causa de uma foto e me fez perguntas. Procuro responder tudo. Ela me aceita do jeito que eu sou”, diz.

O tratamento de Flávia, que conta, inclusive, com apoio psicológico, deve durar mais quatro anos. A publicitária relata, porém, que não pensa, de forma alguma, em fazer uma cirurgia de mudança de sexo. Apesar de estar passando por uma transformação de gênero, ela explica que isso não afeta sua sexualidade e que não sente atração por pessoas do sexo masculino.

“É esquisito, mas é isso. Gênero não tem a ver com sexualidade. Antes, olhava no espelho com pouquíssimo interesse. Sempre tive a impressão de que não era eu. Agora, quando me visto como mulher, fico me admirando. Com o cabelo crescendo e a barba removida, é um prazer me olhar e dar um excelente ‘bom dia’ para mim mesma. Hoje consigo sorrir...”, comemora.

Flavia Bianco quando ainda era conhecido como Luís (Foto: Arquivo Pessoal)

Uma das conquistas mais recentes de Flávia foi incluir o nome social no CPF. "Sendo contratada, gostaria de ser tratada como qualquer outra pessoa do sexo feminino. Não faço questão de beijo no rosto, mas quero liberdade para expressar a minha identidade feminina, sendo tratada como qualquer outra mulher, sem privilégios ou distinções", diz.

A postagem divulgada por Flávia por meio das redes sociais, no último fim de semana, continua repercutindo e recebendo milhares de compartilhamentos. A história fez com que centenas de pessoas enviassem mensagens de solidariedade e de apoio mas, até agora, a publicitária não recebeu nenhuma oferta para que pudesse voltar a trabalhar.

"A repercussão do post e o carinho das pessoas me surpreendeu. Foi importante para expor um pouco do meu processo, do que enfrento, e para esclarecer dúvidas. Acredito que expondo um pouco mais o meu lado pessoal as pessoas entendam e me abram oportunidades. Tudo o que aconteceu foi muito bom. Agradeço cada mensagem positiva", finaliza.

 

Reportagem produzida pelo jornalista Alexandre Lopes e originalmente publicado no portal de notícias G1



Você gostaria de conhecer seu próximo namorado?

Se você quer conhecer vários caras bem próximos da sua casa ou do seu trabalho, nós temos uma solução completa e experiência de mais de 14 anos formando casais gays para namoro, casamento e também para uma noite de diversão.

Você só precisa se dedicar um pouquinho fornecendo suas informações com uma boa foto e pronto! Vários caras vão bater na sua porta querendo um pouquinho de você.

Gostou da ideia? É bem fácil, basta clicar aqui nesse link e digitar o seu e-mail para ter tudo isso.



Você quer receber nossas noticias por email?



Link

Comentários








Max: Ela agora é uma feliz mulher lesbica.

mineiro: Acho uma imensa falta de respeito qdo não publicam nosso comentário, censura num site gay, essa é boa.

iran: Sei que enquanto existirem seres humanos,os preconceitos e intolerâncias também existirão,porém sei que muitos seres humanos também os combaterão,então,o fim de determinados preconceitos e intolerâncias,inclusive daqueles contra a comunidade LGBTI,está nas mãos de toda a humanidade.Flávia,desejo à você toda a felicidade do mundo e que você consiga realizar todos os seus sonhos.

socram: Só pelo sorriso vemos o quanto ela está mais feliz e realizada! E mesmo tendo um vasto currículo profissional de qualidade as empresas se barram em um preconceito tão idiota!

Anterior  1  Próxima 

Ofertas Atirados

 

 

Cueca Breathable Mesh - Coleção Envy

 

Preço: R$ 149,00
PROMOÇÃO: R$ 112,00

 

 

Cueca com Fechos Magnéticos Break A Way - Coleção Envy

 

Preço: R$ 149,00
PROMOÇÃO: R$ 125,90

 

 

Cueca Maximum Front Enhancement - Coleção Envy

 

Preço: R$ 149,00
PROMOÇÃO: R$ 112,00

 

 

Jockstrap Maximum - Branca - Coleção Envy

 

Preço: R$ 199,00
PROMOÇÃO: R$ 169,90


É expressamente proibido a reprodução parcial ou total de qualquer conteúdo do site A Capa sem prévia autorização por escrito dos responsáveis.
A Capa na iTunes App Store A Capa no Android Market RSS Facebook Twitter SoundCloud
Cadastre-se no informativo